EnciclopédiaAnn & Alexander Shulgin

Azarius

  • $

$ 0, -

0,00 US$

Ann & Alexander Shulgin - Enciclopédia

Mostrar menu Fechar menu

Ann & Alexander Shulgin

1 Comentários

Alexander e Ann Shulgin é um casal de idosos conhecido que trabalha no campo da pesquisa psicoactiva há décadas. Alexander "Sasha" Shulgin é farmacologista e químico, e mais conhecido pela sua redescoberta do MDMA (XTC) e pela criação de muitas substâncias químicas psicoactivas, descritas nos livros TIHKAL e PIHKAL.

Alexander começou a sua carreira como químico de pesquisas sénior na empresa multinacional de produtos químicos Dow. Em 1965 Shulgin deixou a Dow para prosseguir com os seus interesses próprios, e tornou-se consultor privado.

Através do seu amigo Bob Sager, presidente dos laboratórios da costa oeste da DEA (administração americana para a aplicação das drogas), Shulgin desenvolveu uma relação com a mesma e começou a organizar seminários farmacológicos para os agentes, fornecendo-lhes amostras de vários compostos e dando ocasionalmente testemunhos especializados em tribunal. Também foi autor de um livro de referência para a aplicação das leis às substâncias controladas, e recebeu vários prémios da DEA.

Em 1967 Shulgin foi apresentado ao MDMA (ecstasy) por Merrie Kleinman, uma estudante graduada de um grupo de estudantes de química médica que ele aconselhou na Universidade Estatal de São Francisco. O MDMA foi sintetizado em 1912 nos laboratórios da Merck, na Alemanha, e patenteado em 1914 como subproduto de outra síntese, mas considerado inútil e nunca investigado. Shulgin continuou a desenvolver um novo método de síntese, e em 1976 introduziu a substância química ao psicólogo Leo Zeff. Zeff usou a substância no seu consultório, em pequenas doses, como ajuda à terapia verbal. Zeff introduziu a substância a centenas de psicólogos por todo o país, incluindo Ann Shulgin, que Alexander Shulgin conheceu em 1979, e com quem casou em 1981.

Em 1994, dois anos após a publicação de PIHKAL, a DEA invadiu o laboratório de Shulgin. Alegando ter encontrado problemas com a sua arquivação de produtos, a agência requeriu que Shulgin devolvesse a sua licença por violação dos termos da mesma, e multou-o em 25 mil dólares por posse de amostras anónimas que lhe haviam sido enviadas para controlo de qualidade. Nos 15 anos seguintes à publicação de PIHKAL, dois relatórios planeados falharam na apresentação de quaisquer irregularidades.

Richard Meyer, porta-voz da divisão de São Francisco da DEA, afirmou que “É nossa opinião que esses livros são em grande parte livros de receitas para a preparação de drogas ilegais. Os nossos agentes relataram que nos laboratórios clandestinos que invadiram encontraram cópias desses livros”, sugerindo a muitos que a publicação de PIHKAL e a cancelação da licença de Shulgin estavam relacionadas.

O dinheiro usado para pagar a multa foi a pensão de Shulgin, que ele havia juntado ao longo dos anos. As autoridades multaram-no quando ele tinha setenta anos. Agora, quinze anos mais tarde, na casa dos oitenta, a saúde de Shulgin está a deteriorar-se (em 2008 foi operado ao coração). Nem ele nem a sua mulher têm dinheiro para pagar as contas do hospital.

Os Shulgins têm uma grande colecção de material físico (livros, diários, etc.) que precisa de ser organizada, arquivada e disponibilizada ao público. O website Erowid está a tentar juntar entre 25 e 50 mil dólares para em 2010 pagar um assistente especializado para Alexander e para calcular e processar custos. Donativos podem ser feitos através do Erowid Center, ou enviados directamente aos Shulgins.

A página do Erowid onde podes encontrar mais informação e fazer um donativo é: Support the Shulgin Collection



Comentários

  • Valdir 04-10-2016 09:31:34

    Assisti ao documentário sobre isto, no Net Geo. É triste de ver que toda uma vida de pesquisa foi abandonada, porém agora começaram a retomar as pesquisas com o MDMA. E esta tendo grandes resultados em pessoas que retornam das guerras e ficam com stress pós traumático, e talvez até 2021 já seja possível se receitar por um médico o MDMA como medicamento. É triste ver o preconceito das pessoas em relação as substâncias que são consideradas drogas, mas que foram criadas para serem usadas como medicamentos, mas ao mau uso se tornam drogas recreativas e se destrói tudo o que se poderia ter de bom com aquela droga, bom Digo no sentido real de ajudar quem tem doenças que a medicina atual não consegue ajudar. Então estas drogas seriam se não a cura mas também um alívio para o sofrimento, só quem sofre de uma doença, sabe que causa grande sofrimento e sabe o que é sofrer por não ter medicamentos apropriados pelo preconceito até da parte médica, é só ver o exemplo aqui no Brasil dos analgésicos da classe dos opióides e opiáceos, o máximo que tem para comprar é a morfina, pois os outros que são melhores que a morfina são muito poucos e custam um absurdo impossibilitando quem precisa de conseguir comprar, pois não é receitado e por não se vender custa tanto, Sei muito bem como isto é, uso morfina para dor neuropática e já não me ajuda mais, precisaria de oxicodona, porém devido ao preço não posso comprar. Tenho de viver com dores insuportáveis devido ao preconceito igual ao que têm ao MDMA, o quanto se errou por terem tanto preconceito e verem quantas pessoas deixaram de serem ajudadas e morreram sofrendo devido ao preconceito de quem deveria ter ajudado os não o fazendo por preconceito de estarem usando uma droga.


Tens pelo menos 18 anos de idade?

Para visitar a nossa webshop, tens de confirmar que tens pelo menos 18 anos de idade.